Featured

Breaking News
recent

Santander acredita que cristãos são “intolerantes e deturpadores da informação”

Após a sequência de polêmicas envolvendo a mostra Queer Museu, promovida pelo Santander Cultural, surge um novo capítulo. Sergio Rial, presidente do Santander Brasil, enviou um comunicado interno para os funcionários do banco falando sobre o cancelamento da exposição em Porto Alegre.
Ela teve início em 15 de agosto e deveria ir até 8 de outubro, mas foi encerrada no último sábado (09), após diversos protestos nas redes sociais de indivíduos e grupos conservadores que não compactuam com o que foi chamado de “arte”.
Embora a grande imprensa tenha dado créditos a mobilização para o MBL, o fato é que foram diferentes grupos religiosos que fizeram o maior “barulho” contra o banco, pedindo inclusive boicote ao Santander por ter promovido obras consideradas pornográficas, que retratavam órgãos sexuais, zoofilia e mensagens ofensivas a símbolos cristãos.
Outros fatores que desgastaram a imagem do banco foi o projeto ter levantado R$ 800 mil de verba pública através de renúncia fiscal e a previsão que a mostra receberia visitas de escolares, expondo crianças àquelas imagens.
Comunicado Santander – Queer Museu. (Foto: Reprodução)
Na justificativa assinada por Rial, ele afirma no segundo parágrafo que “as críticas já não se centram, como se viu nas redes sociais, só na ação de alguns grupos intolerantes e deturpadores da informação, que desqualificavam a exposição. Os ataques têm enfoque na censura — “como não se via desde a ditadura”.
Embora não cite quem seriam esses grupos, mas quem acompanha o caso sabe que os cristãos foram os mais enfáticos nas críticas, a ponto de apelidar a instituição de “Satã-der”.
Com um discurso contraditório, o presidente do banco afirmou que o Santander respeita “de forma incondicional a comunidade LGBT, os artistas, como também qualquer outra comunidade que possa se sentir desrespeitada, como muitos grupos religiosos”.
Rial e a instituição que comanda se contradizem ao falar em respeito a “muitos grupos religiosos” e ao mesmo tempo patrocinam a deturpação da imagem de Jesus, representado em um dos quadros como um macaco e o associando a uma divindade pagã em outro.
Ele se queixa dos ataques que sofreram de “forma intensa”, mas não vê ataque aos valores aceitáveis na sociedade quando expõe imagens de sexo com animais, orgias e incitação à pedofilia. Obviamente que se trata disso, pois qual outra explicação há para uma obra chamada “Criança viada: Travesti da Lambada e Deusa das Águas”.
Como pode o banco dizer “Somos uma empresa que valoriza profundamente as organizações religiosas, independente de credo, mas dentro do ambiente de tolerância”. É no mínimo contraditório ele fazer tal afirmação quando tudo indica o contrário.
O documento em questão foi divulgado nas redes sociais, o que levantou suspeitas sobre sua veracidade.  Mas ao jornal Gazeta do Povo, a assessoria de imprensa do Banco confirmou a autenticidade do documento. Disse ainda que ele “reflete a visão do banco sobre o episódio”.
A conclusão é que internamente o banco minimiza a fé alheia, enquanto tenta se justificar à sociedade com outro discurso, como foi visto na nota pública postada página do Santander Cultural no domingo (10). Nela, afirmava que decidira fechar a mostra por que havia entendido que “algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas”.
Tecnologia do Blogger.